! O Corneta | Entregadores de aplicativos brecaram em todo o país

Entregadores de aplicativos brecaram em todo o país

No último dia 1º de julho os entregadores de aplicativos mostraram sua força de mobilização, brecando as entregas em todo país. Essa rapaziada que tá na linha de frente principalmente durante a pandemia, ajudando boa parte da população a manter a quarentena, não aguenta mais ser tão explorada pelas poderosas empresas. No dia 30, um dia antes da paralisação, a Transição Socialista entrevistou 2 companheiros que pararam no dia 1º. Um deles declarou:

“A greve do dia 1º de julho tem uma pauta que pede aumento das taxas, aumento da taxa mínima, fim dos bloqueios indevidos e um auxílio por parte dos aplicativos aos entregadores que sofrerem acidentes ou forem contaminados pelo covid-19, essa é a pauta da greve do dia 1º de julho.

É, irmão, a gente tem que fingir que as coisas não tão acontecendo, a gente tem que levar sustento pra casa, né? Eu sei que os entregadores tomam cuidado aí, todos de máscara, todo mundo compra seu álcool em gel pra usar, todo mundo compra sua máscara pra se proteger, tenta manter uma distância, eu sei que tá todo mundo preocupado, mas o pessoal não pode parar de trabalhar, né? Não tem nada que garante eles, não dá pra falar “pode ficar em casa que seu salário tá garantido”. Nós que temos que fazer nosso salário lá, senão ferra.

Ó, mano, as outras categorias que querem fortalecer os entregadores têm que entender que se fortalecer os entregadores vocês estão se fortalecendo, porque a uberização é um processo que vai se estender pra todo mundo, pra toda classe trabalhadora, é um processo de rasgar a carteira de trabalho de todo mundo, eles querem rasgar a carteira de trabalho de todo mundo. Então uma maneira de fortalecer é a gente se unir e entender que isso aqui é muito importante. Vai chegar uma hora que seu trabalho vai virar um aplicativo, e você não vai ter direito nenhum garantido, não vai ter CLT, você vai tá desprotegido, é isso que eles querem colocar pra todo mundo.”

O breque dos entregadores de aplicativo, no dia primeiro de julho, contou com o apoio de trabalhadores de outras categorias. Em SP, na av. paulista, estavam o sindicato dos médicos e o sindicato dos trabalhadores da Universidade de São Paulo que foram prestar solidariedade aos motocas. Entre os metalúrgicos, a peãozada também enviou seu apoio por meio do Corneta. Um operário demitido da Bardella, sente na pele a falta do emprego e mandou o recado.

“A Bardella me deixou zerado, to tendo agora que trabalhar como freelance em metalúrgica. Sou a favor da mobilização dos entregadores, chega dos investidores ganharem dividendos em cima da exploração dos trabalhadores, esses aplicativos exploram os colaboradores para dar lucros aos investidores.”

Um operário ativo da Termomecânica, em São Bernardo, também defendeu a greve e focou naquilo que unifica todos os trabalhadores:

“Eu apoio 100% o que os entregadores estão reivindicando, nada mais justo! Tem que brigar pelos direitos mesmo! Tem que parar e fazer valer o que eles estão querendo, até porque se eles pararem, como a comida vai chegar nas nossas mesas?”

09.07.2020

Categorias: Chão de Fábrica, Rádio Corneta
Tags: ,

Compartilhe