! O Corneta | No Metrô, direção do sindicato atrasa a categoria!

No Metrô, direção do sindicato atrasa a categoria!

Depois da pelegada que a direção do sindicato dos metroviários deu no dia 1º de julho, a categoria tinha a greve marcada pro dia 8. Porém, mais uma vez, a direção do sindicato recuou, propondo a suspensão da greve. Na assembleia anterior, os burocratas apostaram todas as fichas no governo federal, esperando que Bolsonaro sancionasse a MP 936 no dia 13 – Bolsonaro sancionou a lei que continua a atacar todos os trabalhadores, mas vetou a ultratividade das convenções e acordos coletivos durante a pandemia, como todo mundo já esperava, menos a direção do sindicato. Será que a burocracia sindical achou mesmo que Bolsonaro ia agilizar o lado da peãozada? Como o argumento inicial da direção do sindicato caiu por terra, eles inventaram outras desculpas pra segurar a insatisfação da categoria. Relatou um companheiro ao Corneta:

Eles usaram os argumentos mais pelegos do mundo: ah a justiça, ah demissão, enfim, já que eles perderam aquele papo furado da MP 936, daí apelaram pra outros argumentos.

Outro companheiro resumiu a situação:

Enfim, foi suspensa a greve, e a gente tá reconstruindo o movimento, porque a greve foi suspensa efetivamente, não foi adiada. Nós não tamos com indicativo de greve marcada pra dia nenhum. Nós temos uma assembleia pra dia 14 e nessa assembleia nós vamos tirar o indicativo de greve caso continuem os ataques do metrô, e os ataques tão continuando, o metrô já pagou nosso salário de junho com diferenças e não retomou até agora, e tudo indica que agora em julho vão fazer os cortes que fizeram em junho e se puder vão aprofundar os cortes. Então nós vamos ter uma audiência dia 13 no TRT e dia 14 uma assembleia. E nessa assembleia nós vamos ver essa possibilidade de tirar indicativo de greve se a pelegada não atrapalhar de novo!

Por transportar milhões de trabalhadores todos os dias, o Metrô de São Paulo é um setor importantíssimo e, por isso mesmo, os metroviários têm grande força, têm a faca e o queijo na mão pra colocarem a empresa e o governo Dória de joelhos. A base sabe disso, e apesar da direção do sindicato a categoria segue mobilizada! “Somos o segundo maior vetor da contaminação, depois dos hospitais”, disse um outro companheiro. Enquanto isso, a empresa e a burocracia sindical querem reduzir direitos dos trabalhadores que estão totalmente expostos à pandemia.

16.07.2020

Categorias: Cornetadas, Rádio Corneta
Tags:

Compartilhe