! O Corneta | TM, Lorenzetti e Shockmetais: Operários denunciam descaso com nossas vidas

TM, Lorenzetti e Shockmetais: Operários denunciam descaso com nossas vidas

 

Não é novidade para a gente que os patrões sempre colocam seus lucros acima de tudo e todos nós. A crise sanitária e econômica que vivemos atualmente, fez com que os patrões no mundo inteiro intensificassem os abusos contra nós, bem com a exploração de nosso trabalho.

Companheiros de diversas fábricas no mundo inteiro estão sendo demitidos, tendo cortes nos salários e suspensão de contrato. Isso quando não morremos com acidentes nos locais de trabalho ou sendo infectados pelo novo coronavírus.

Na nova edição da Rádio O Corneta, publicada hoje no dia 08 de Junho, companheiros de diversas fábricas denunciam abusos dos patrões.

TERMOMECÂNICA

Em um relato ao Corneta, um operário da Termomecânica denuncia o descaso com a vida dos trabalhadores:

“Na Termomecânica, dia 29/5 faleceu a esposa de um companheiro do setor da laminação que trabalha nas mesas de embalagem! A esposa do nosso companheiro faleceu com COVID-19. Pior que nosso companheiro está trabalhando. A empresa não faz teste na peãozada. Ou seja, se a esposa do nosso companheiro faleceu com COVID-19, com certeza ele deve estar infectado. Na laminação tem colaborador que teve todos os sintomas da COVID-19 e está trabalhando normalmente. Ou seja, os trabalhadores estão expostos. Colocaram cartas em tudo quanto é lugar da empresa  para manter distanciamento, mas a preocupação da empresa não é com os colaboradores mas sim com suposta fiscalização.
Resumindo, a TM não está nem um pouco preocupada com seu bem maior, que são os colaboradores. Se os peão de chão de fábrica não existir, quem vai manter os luxos de quem está no comando? Quem se fode são os peões, quem faz rodar os equipamentos é a peãozada.”

Em outro relato feito por um operário da Termomecânica, uma série de abusos foram denunciados:

“Na TM está tendo muito cacique pra pouco índio. Mandaram da fábrica 1 para a fábrica 2 o Alzheimeir para fiscalizar quem está sem máscara etc. Em vez do Alzheimeir fazer o que foi direcionado, ele anda no setor da laminação querendo colher informação da produção, pedindo para direcionar os problemas pra ele. Porém na laminação já tem o cacique Queixada. Na máquina konform tem dois colaborador e cinco líderes que veio da fábrica 1. É até bonito de ver a roda de líderes trocando ideia no meio do setor.”

Outro operário também denuncia ao Corneta:

“Lá na Termomecânica eles pegam os funcionário pra ficar limpando as fezes das pombas que entram lá dentro. Eles colocaram um armário bem próximo à porta de entrada, pro pessoal colocar os EPIs, e as pombas fazem fezes ali e eles pedem pros funcionários limparem. É uma covardia aquela empresa.”

SCHOCKMETAIS

Na Schockmetais, companheiros também denunciam abusos da empresa e descaso com a saúde dos operários:

“Aqui na Shockmetais, no Sacomã, em abril a empresa já aderiu à medida provisória 936. Com isso o salário dos funcionários foi reduzido em 50%. Porém agora em meados do mês de maio, a carteira de pedidos começou a voltar ao normal. Ao invés de romper o contrato da medida provisória, a empresa está convocando os trabalhadores para voltarem ao trabalho pagando por fora. O Barney do RH passa até pedindo conta de banco diferente para depositar o dinheiro desses dias trabalhados para o governo não ter como pegar. Um safado esse Barney.

Um companheiro nosso da serra, machucou o dedo na serra e mandaram ele próprio fazer um curativo e voltar a trabalhar.”

LORENZETTI

Também recebemos denúncias de operários da Lorenzetti:

“Agora que a matriz voltou ao trabalho normal a Lorenzetti tem dado suporte pra gente do CD, nós trabalhamos 30 dias lá sem nenhuma máscara. Tínhamos uma garrafa de álcool pra dividir pra cinquenta cara. Ficamo 30 dia assim. Agora quando a matriz voltou ao normal, aí deram máscara pra gente, uma viseira, tem álcool em vários pontos do setor, tomaram medidas em relação ao refeitório. Então em resumo, agora eles têm dado uma atenção em relação à saúde.”